Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso websiteAo navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

 


 

Exposição
Os Presépios de Barcelos

A exposição “Presépios de Barcelos” inaugura no próximo sábado, 30 de novembro, pelas 19h00, no Forum Cultural de Idanha-a-Nova, sendo constituída por dezenas de peças dos mais conceituados ceramistas portugueses.

Sobre a Exposição
A encantadora história dos presépios começou com São Francisco de Assis quando, numa gruta de Greccio, antiga cidade italiana, nas montanhas do Lácio, relembrou de uma forma catequética e pedagógica o nascimento de Jesus Cristo, reconstituindo-o, ao vivo, na noite da véspera de Natal de 1223, com a representação cénica de alguns dos camponeses das ditas montanhas.
Pietro Gargano, no livro intitulado: O Presépio oito séculos de história, arte e tradição, a páginas onze, escrevera:
«Adoptada pelos frades descalços, infatigáveis viajantes da fé, a paixão de S. Francisco pela Noite Santa espalhou-se por toda a Europa durante o séc. XIV.»
Nas comunidades cristãs, há presépios representando a Noite Santa, nos mais diversos materiais, enquanto uns são de uma impressionante riqueza, outros são mesmo pobres, uns do tamanho de um salão com montagem de um cenário deslumbrante, outros pequenos como uma meia casca de noz. Todos são expressão artística, fruto da tradição e do poder criativo da imaginação humana, ao longo da sua história de quase oitocentos anos.
Estes presépios expostos, no figurado de Barcelos, eram pertença do coleccionador Rui Sequeira, natural de Portalegre, e que foi um dos mais qualificados presepistas portugueses e de renome internacional.
Rui Sequeira nascera com a paixão pelo Natal e pela sua dignificação e daí ter sido um dos difusores da cultura presepista. Doou à Diocese de Portalegre e Castelo Branco, não só este espólio aqui apresentado, produzido por artistas de Barcelos, que mostra bem a riqueza do artesanato local e a criatividade dos artistas no contexto da arte popular, mas ainda doou um apreciável e diversificado conjunto de outras representações presepiais de artistas, nomeadamente de Estremoz, Vila Nova de Gaia, Coimbra, Caldas da Rainha e Mafra. Inclui a mesma colecção também presépios de quase todos os países do Mundo.
Está de parabéns a Comissão de Gestão do Património Religioso da Diocese de Portalegre-Castelo Branco, na pessoa do seu Presidente, Sr. Padre Francisco Valente, e dos demais membros da sua Equipa de Trabalho, pela devotada dedicação e prestimosa colaboração ao tornar possível esta valiosa Exposição dos seguintes artistas de Barcelos: Ana Baraça, Carlos Baraça, Fernando Baraça, Júlia Côta, Júlia Ramalho, Maria Helena da Cruz, Mistério, Mistério filho, Mistério neto e Rosalina Baraça.
O vosso empenho em divulgar o espólio doado pelo coleccionador Rui Sequeira é a forma mais digna de o homenagear e de perpetuar a mensagem da gruta de Belém, portadora de alegria e da paz de boa vontade, convidativa a olhar para além da gracilidade das figuras ou bonecos.
A tradição portuguesa dos presépios é uma das formas mais tocantes da piedade popular e de expressão artística da celebração do Natal que vem de séculos e séculos, mas atingiu o seu auge com os mestres da arte barroca, nos séculos XVII e XVIII. Em Portugal, o seu auge atingiu-se, mais tardiamente, no reinado de D. João V (1706 a 1750), graças às riquezas vindas do Brasil e à dinâmica inspirada, a partir do Concílio de Trento (1545 a 1563).
Relativamente, aos tempos do reinado de D. João V, o nosso homenageado Rui Sequeira, escrevera:
«Quando o rei D. João V mandou fazer o Convento de Mafra mandou vir de Itália os melhores artistas de estatuária. Em Nápoles, era moda na altura, os presépios. Os portugueses não podiam imitar os artistas italianos que cá estavam e faziam maravilhas em madeira. Dedicavam-se a fazer presépios em barro com a influência da técnica napolitana. A perfeição foi tal que chegaram a ser considerados os melhores barristas do Mundo.»
O tema do Natal mantem a actualidade de sempre com representações nas igrejas de província e ainda se reproduz com figurinhas antigas em casa de muitas famílias.
Recordo-o com magia, sonho e emoção. Como no comum das famílias, na casa de meus pais, o presépio era feito, junto da lareira, sítio habitual onde se colocava com sonhada expectativa o sapato em noite de Natal… Uns dias antes, era a altura de eu ir, com todo o enlevo e prazer desmedido, a arrancar as camadinhas de musgo verde, por vezes, decoradas com pimpirlos, nos barrocos à beira dos caminhos, e de trazê-las numa cesta de verga. Seguia-se a azáfama de armar o presépio, ou seja, de colocar jornais no sobrado e  pedras para serem revestidas com o viçoso musgo e de conjuntamente com a minha saudosa mãe e irmã colocarmos o anjo em lugar  altaneiro, sobre a gruta onde se aninhava a Sagrada Família, a vaquinha, o burrinho, e à volta, em harmonia, uma à uma, alindávamos o presépio com as outras figurinhas, personagens de barro pintadas, dispostas em lugar certo. Mas atenção, o Menino Jesus, ainda, hoje, em nossa casa, só se coloca, na Noite Santa…
O Natal continua a ser uma das celebrações mais importantes do calendário religioso e cultural anual.
Toda a Equipa que preparou para si esta exposição de presépios de Barcelos formula ardentes votos, para que esta seja oportunidade para abrir o tesouro da sua memória e regresse carinhosamente ao tempo das puras vivências da sua infância e meninice e, por fim, abra o seu coração irmanado no canto universal de louvor e gratidão ao Menino Deus.

 


FICHA TÉCNICA
Organização: Câmara Municipal de Idanha-a-Nova em parceria com a Comissão de Gestão do Património Religioso da Diocese de Portalegre-Castelo Branco
Colecção: Diocese de Portalegre-Castelo Branco
Coordenador Executivo e Texto: António Silveira Catana
Museografia: Diogo Gaspar, João Pires, Patrícia Choças e Paulo Duarte
Design: Nuno Capelo
Produção e Fotografia: Alexandre Gaspar
Assistentes de Produção: Catarina Mendonça e Eunice Lopes
Transporte e acompanhamento: Gabinete de Arqueologia, Conservação e Restauro Centro Cultural Raiano - Rede Museológica Municipal: Ana Poças e Paulo Inácio
Impressão: Gráfica do Tortosendo
Seguro: HISCOX
Segurança: Securitas
Agradecimento ao Presidente da Comissão de Gestão do Património Religioso da Diocese de Portalegre-Castelo Branco: Padre Francisco Valente
 
FORUM CULTURAL
Rua de São Pedro nº 31
Idanha-a-Nova
 
CONTACTOS
Tel.: +351 277 208 029
Email.: forumculturalidn@gmail.com
 
HORÁRIOS
Segunda a Sexta: 9h-13h | 14h-17h
Sábado, Domingos e Feriados: 14h-18h

Localização

Venha Recomeçar em Idanha-a-Nova!

Aqui esperamos por si, pela sua família e pelas suas ideias.