Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso websiteAo navegar com os cookies ativos consente a sua utilização.

Fotografia: Kasia Chmura

O grupo de teatro Ajagato apresenta no próximo dia 29 de junho, pelas 21h30, o espetáculo “Vai Vem”, no Teatro Estúdio Ajidanha, em Idanha-a-Nova.

“Vai Vem” é uma viagem visual onde o corpo e o silêncio são os protagonistas. Inspirada na migração como território visual e no teatro físico como ferramenta narrativa, a obra apresenta as personagens como sombras sem tempo que deambulam cruzando as suas histórias e, como um caleidoscópio, falam-nos dos desapegos, da ilusão, dos vazios humanos, dos medos, da solidão, do amor, da vida e dos impulsos que nos levam a partir.

As reservas podem ser feitas através do contacto 938 983 960 ou do email ajidanha@gmail.com.

SINOPSE

Um homem, um motivo, um lugar e começa a viagem. Quatro personagens, as suas histórias, um naufrágio e o alto mar. Encontrar o amor, escapar ao passado, fugir ao dever e encontrar um lugar onde voltar a semear, motivam a decisão de partir destes seres que sem bilhetes de volta soçobram num oceano imenso. Uma viagem incerta, inacabada e infinita, aparece suspensa num cenário através de mínimos relatos que nos lembram o Homem, tão familiar e enigmático, tão próprio como estranho, tão migrante como estático.

FUNDAMENTAÇÃO

O projecto surge na sequência da realização em Santo André de oficinas de formação em Teatro Físico e Gestual em 2012 e 2014, sob a direcção de Juan Carlos Agudelo Plata e da apresentação de duas obras teatrais da CASA DEL SILENCIO, companhia que dirige em Bogotá. Os dois espectáculos, “Woyzeck” e “Kokoro” surpreenderam pela qualidade e rigor do trabalho físico dos actores, assente nas técnicas de Étienne Decroux e na experiência de uma década de trabalho do encenador com Marcel Marceau. Como metodologia trabalhámos a partir de acções físicas e de rotinas pessoais estilizadas, suportadas pelos componentes basilares da técnica de Decroux: dinamo ritmos, marchas e figuras. O processo a aplicar nesta montagem partiu dum laboratório de criação para explorar e decifrar as diferentes possibilidades corporais, expressivas e de síntese que a linguagem física potencia, tendo em vista uma aproximação a territórios de um imaginário não realista.

 

​FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

Encenação: Juan Carlos Agudelo Plata

Dramaturgia: Ángela Valderrama

Interpretação: Helena Rosa, Marina Leonardo, Raul Oliveira, Tomás Porto

Direcção da reposição: Mário Primo

Desenho de Luz: Rui Senos

Sonoplastia: Jorge Oliveira

Montagem e operação técnica: Rui Alves, Carlos Gonçalves

Produção: AJAGATO

 

14 de junho de 2022


 

 

Venha Recomeçar em Idanha-a-Nova!

Aqui esperamos por si, pela sua família e pelas suas ideias.